“Pontas Soltas – Lisboa” de Ricardo Cabral

pontas soltas lisboaA pesares de compartir un país, dividido polas fronteiras dos homes, e unha lingua, a bd portuguesa é unha gran descoñecida na Galiza, e non debera ser desta forma, dende as Metrópoles, sempre estamos atentos e gozamos cada vez que descubrimos un libro novo editado do outro lado do pai Miño.

Desta volta traemos ó blogue un libro de Ricardo Cabral, un autor cunha xa importante traxectoria na banda deseñada e que ven de presentar o seu libro “Pontas Soltas – Lisboa” publicado pola Asa. Co mesmo formato que o seu anterior libro “Pontas Soltas – Cidades” publicado en 2011, este libro recompila catro bandas deseñadas que teñen a Lisboa como pano de fondo , a máis antiga de 2004 e a máis recente de 2013, e ten algunhas pranchas inéditas, como a versión portuguesa de unha BD que xamais tiña sido editada en libro.

Pontas-Soltas recebeu recentemente o premio  HQMIX, un dos mais recoñecidos prémios de Banda Deseñada do Brasil, na categoria “Destaque País de Língua Portuguesa”.

pontas s lisboa4

Eis a sinopse da editora:

O novo livro do ilustrador Ricardo Cabral chama-se “Pontas Soltas – Lisboa” e revela, através do traço e do génio de um dos mais importantes artistas da atualidade, diferentes visões da capital portuguesa. Este novo álbum reúne quatro bandas desenhadas que têm Lisboa como pano de fundo e que foram realizadas entre 2004 e 2013 no âmbito de diferentes projetos. A primeira, Hi No Tori (que significa “Fénix” em japonês), data de 2004 mas só viria a ser publicada em 2006, no BDjornal, com a ilustração de Lisboa a ter direito a honras de capa e a tornar-se, por isso, razoavelmente conhecida. A seguinte, intitulada The God Tracking Station, foi realizada em 2005 para o fanzine Jazzbanda e inclui elementos de filmes antigos de espiões e agentes secretos em cenários tipicamente lisboetas. É de salientar que a versão incluída neste livro contém duas páginas inéditas, que antecedem as originalmente publicadas. Webtrip, de 2012, resulta do convite da organização do Festival de BD de Lyon para um projeto que envolveu artistas de toda a Europa e que foi originalmente publicado online, tendo só no ano seguinte sido editado em livro, em língua francesa.pontas s lisboa5 A versão portuguesa que aqui se inclui estava portanto inédita em livro e, além disso, inclui mais três páginas do que a versão original. Por fim, O Caso Doca 21, de 2013, surge de um desafio lançado pela Samsung, que consistia em realizar uma BD utilizando unicamente o Galaxy Note 3 e tendo a cidade de Lisboa como cenário. A originalidade da campanha foi sobejamente reconhecida pelos vários prémios de que foi alvo, e a BD foi publicada na página de facebook da Samsung, tendo também sido publicada em papel com a revista Visão.